Sobre Moda
Publicado dia Fevereiro 27, 2018

Quando falei sobre esse livro maravilhoso da Jennifer L. Scott comentei sobre o conceito do guarda-roupa de 10 peças. Eu ainda pretendo chegar entrar mais a fundo nesse assunto, mas vamos com calma. Antes de falar sobre um guarda-roupas perfeito, precisamos falar sobre o que colocar dentro do dito cujo! E o que vai estar dentro dele precisarefletir o que está dentro de você. Pra isso a gente precisa se conhecer.

Quem me acompanha há algum tempo já deve ter notado que eu sempre fui uma inconstante terrível, coisa de adolescente mesmo, né? Eu sempre levei mais tempo para amadurecer do que as outras meninas, hehe. Um dia queria ser roqueira, depois o negócio era vestido de babadinhos e cabelo de boneca, um horror. Como eu disse, esse livro mudou mesmo a minha vida, depois de ler ele eu resolvi olhar mais para dentro, para a Amanda de verdade, sabe? Li outros vários livros sobre moda e estilo e hoje posso dizer que me encontrei. Não que eu ainda não vá ficar tentada por uma peça da estação de vez em quando, mas agora eu sei qual é a base, quais são as minhas raízes fashion e isso torna o trabalho de enfeitar a árvore muito mais fácil.

Li vááárias técnicas bacanas sobre como encontrar e desenvolver o seu estilo, umas que curti muito foram no livro Vista quem você é, das blogueiras e consultoras de estilo Cris Zanetti e Fê Resende (resenha em breve). Mas enfim, pra quem ainda tem dificuldade de identificar o seu estilo pessoal e acaba se definindo pela modinha da estação, eu resolvi fazer um exercício rápido baseado no que eu li, no que eu pensei e no que funcionou pra mim – coisa básica, mas que eu sei que pode te ajudar a começar a refletir 🙂

quem você é?

Defina-se em poucas palavras. Pense no seu dia a dia, na sua rotina, nos seus hobbies, nas suas preferências… Naná Gonçalves em dez palavras seria: impacto, básico, luxo, moderno, família, clássico, Paris, navy, blog, livros. Essas palavras são coisas que sempre foram constantes pra mim, coisas que gosto e valorizo, mas que eu nunca antes tinha pensado em imprimir no meu jeito de me vestir, que bobeira, né? Olha só o que eu estava perdendo…

elogios

Quais são os elogios que você mais gosta de ouvir? “como você está linda/sexy/chic/delicada/elegante/gostosa/fofa”? Cada mulher é um universo e a imagem que uma quer passar pode ser completamente diferente da imagem de outra. Eu me sentiria uma piriguete se alguém dissesse que eu estou gostosa – tenho pavor dessa palavra!-, prefiro muito mais estar chic ou elegante, mas sei que essa imagem não é a que a maioria das meninas da minha idade quer passar. Saiba quais são os elogios que você quer ouvir, isso vai fazer com que saiba qual a imagem quer passar, assim poderá se vestir pensando nesse conceito e terá a aparência que deseja ter.

ponha um rótulo no seu closet

Eu li sobre isso em Madame Charme, primeiro me assustei com a ideia, afinal, rótulos me incomodam. Mas agora que você sabe quem é e sabe como quer ser vista é fácil pensar no que precisa mudar para externalizar o que tem no interior. Pense nas palavras que escolheu para se definir e nos elogios que gostaria de ouvir e tente formular um rótulo, uma palavra que defina isso tudo. Não precisa ser algo que já existe, e não hesite em brincar com as palavras, use-as da forma que quiser.

Eu percebi que sou bem clássica, gosto de coisas luxuosas, mas ao mesmo tempo sou fã dos básicos, sou caseira e moderna e odeio parecer “arrumadinha” – gosto de um visual mais “já acordei assim linda”, elegante sem esforço, sabe? Acho que posso definir isso como um casual-chic, ou talvez despojada-elegante, essa definição é somente sua. Talvez você seja romântica-moderna, ou esporte-glam, talvez até punk-delicada.

Vocês não fazem ideia de como ter essa noção ajuda na hora de arrumar o armário e fazer compras. Quando arrumei meu closet descartei sem dó não apenas o que não servia, estava velho ou ultrapassado. Tirei tudo, TU-DO, o que não era casual-chic. Se não me define, porque guardar? Porque comprar? Não que a gente não possa ter aquelas peças da estação, esses modismos são interessantes para manter o guarda-roupa atualizado, mas se não entra no meu conceito de casual-chic não tem porque eu comprar uma legging rosa-shocking-metalizada só porque está na moda, concordam?

crosses

Espero que depois desse exercício vocês se conheçam um pouquinho melhor! Não deixem de me dizer nos comentários o que descobriram! E agora que já sabemos quem somos, precisamos partir para o guarda-roupa, mas isso vai ficar para outro post 🙂

Por Amanda Inácio
Sobre Lifestyle
Publicado dia Fevereiro 26, 2018

Que tomar água é muito bom para o nosso organismo, todo mundo já sabe, afinal sempre que a NASA resolve investigar algum planeta já vão direto atrás de água, porque água é sinônimo de vida. Para realizar praticamente todas as funções do nosso corpo é preciso água. No dia a dia perdemos de 1,5 a 2 litros do líquido apenas com urina, suor, fezes e até lágrimas.

Eu ouvi uma vez em um dos meus treinamentos como Health Coach que quando tomamos pouca água o nosso corpo precisa retirar o líquido de algum lugar para desenvolver as suas funções e sabe qual é o maior reservatório de água que temos? As fezes! Sim, o corpo vai buscar água nas fezes para realizar as funções que ele precisa para você continuar vivendo. Já pensou nisso? Ter água de cocô circulando dentro de você??? Eu quase vomitei quando ouvi isso, mas pode ter certeza de que agora eu bebo muito mais água do que costumava. Espero que aconteça o mesmo com vocês.

Beber água trás inúmeros benefícios para o nosso corpo. Ela tem papel fundamental em todas as funções enzimáticas do nosso organismo, hidrata a parede do intestino, fazendo-o funcionar melhor (adeus, intestino preso!), faz uma verdadeira faxina nos nossos rins, mandando para fora o excesso de sais, daí os inchaços diminuem! Ela também favorece a absorção de nutrientes responsáveis pela hidratação da pele, inclusive prevenindo rugas. Não existe um milímetro do nosso corpo que não precise de água – e eu imagino que, assim como eu, vocês não querem água de cocô circulando dentro de vocês.

MAS PORQUE A ÁGUA AJUDA A EMAGRECER?

Porque ela faz o nosso corpo funcionar direito! Não se deixe enganar pela balança, muitas vezes você pode estar fazendo uma dieta louca super restritiva que ao invés de fazer com que você perca gordura só está eliminando muita água e queimando músculos (massa magra). Assim você pode até ver o numerozinho da balança diminuindo, mas vai ficar com aquele aspecto de falsa magra que eu já falei: de roupa é fininha e linda, de biquíni existem vários pontos de gordurinhas localizadas que não foram queimadas porque você queimou músculo ao invés de gordura. Não caiam nessa! Coma de tudo com moderação e beba água!

Além disso, tomar bastante água ajuda na sensação de saciedade, o que faz com que a gente ingira menos calorias (apenas o necessário). Sabia que muitas vezes quando estamos com fome, na verdade é sede? Nosso corpo é meio burrinho para separar as sensações às vezes, então antes de atacar a geladeira experimente tomar um copo de água! Ah, mas não fique muito tempo sem comer. Já sabe, né? O ideal é de 3 em 3 horas, para manter o metabolismo funcionando direitinho.

NÃO ESPERE A SEDE CHEGAR

Só sentimos sede quando o nosso corpo já está com falta de água. Sentir sede já é um princípio de desidratação, sabia? Uma boa forma de evitar isso é encher uma garrafinha e criar algumas metas. “Vou tomar uma até o almoço”, aí depois do almoço você enche a garrafinha de novo. Ou coloque um despertador no seu celular que te lembre de tomar água a cada uma ou meia hora. Se você trabalha muito tempo sentada, que tal abolir o uso da garrafinha e levantar para tomar água cada vez que o celular apitar? Assim você mata dois coelhos de uma vez já aproveitando pra manter o corpo em movimento.

Outra dica: é super importante tomar água antes de dormir, porque você vai passar horas sem se hidratar. De manhã, logo que acorda também ajuda demais a manter o organismo funcionando direitinho. Tente um copo antes de ir para a cama, e um ao acordar, em jejum. Assim que eu comecei a beber mais água no meu dia a dia.

MAS QUAL A QUANTIDADE IDEAL?

Você certamente já deve ter ouvido falar dos dois litros por dia. Esse na verdade é um arredondamento, uma sugestão mas que pode variar de caso a caso. A verdade é que não existe uma quantidade exata, depende muito das atividades físicas, clima, peso, dieta, metabolismo, etc. O ideal é prestar atenção na cor do seu xixi. Quanto mais clarinho ele estiver, melhor. Xixi escuro ou com odor forte é sinal de pouca água.

Quer uma continha rápida para ajudar a ter uma ideia do quanto consumir? Multiplique seu peso por 35 (isso significa que é uma boa ideia consumir 35ml para cada quilo de peso). Essa é uma boa dica para quem não sabe por onde começar, mas pra mim, o resultado seria 1,6 litro – e eu posso assegurar que bebo muito mais do que isso por dia e me sinto ótima!!

Por Amanda Inácio
Publicado dia Fevereiro 23, 2018

Já faz um bom tempo que tirei essas fotos, foi de um passeio que eu fiz no ano passado para Garopaba (tenho várias outras fotos desses dias para compartilhar com vocês!) mas foi uma viagem tão legal e com looks tão fofos que eu espero que vocês me perdoem pela data porque eu achei mesmo que precisava compartilhar aqui. Amei esse look e o lugar é paradisíaco! Amo Santa Catarina, fato (e, pra quem não sabe, eu tenho sangue catarinense, meu avô era de lá – tá explicado porque eu amo o mar e o verão).

vestido SEM MARCA | tênis ADIDAS

O que vocês acharam desse look? Me digam nos comentários! Sou apaixonada por esse vestido e adoro a combinação com tênis, acho despojada.

Por Amanda Inácio
Publicado dia Fevereiro 22, 2018

Madame Charme – Dicas de estilo, beleza e comportamento que aprendi em Paris, de Jennifer L. Scott foi um dos poucos livros que eu li que posso dizer que mudou a minha vida! É um dos meus livros de cabeceira, com informações valiosas para vida, sabe? Coisas simples e às vezes até bestas que deixamos de pensar e que podem nos levar a uma qualidade de vida melhor.

Jennifer narra nesse livro a sua história, a aventura que foi para a californiana fazer um intercâmbio para Paris, onde viveu com uma família super chic, com ascendência aristocrática. Adorei esse formato! O livro é dividido em 20 lições – as 20 lições que Jenni aprendeu em sua viagem – mas não é massante porque ela conta vários casos, pincelando um toque intimista que nos faz refletir junto com ela. A senhorita Scott teve o prazer de viver com a família Charme, uma família extremamente formal com vários ensinamentos valiosos que contribuíram demais para a formação da autora como pessoa (e para a minha também!), mas claro que estando na cidade luz Jennifer pôde observar os franceses de perto, o que a levou a filosofar sobre o que tinham em comum e quais eram os segredos desse povo para viver tão bem.

Madame Charme trabalhava fora, acordava cedo para preparar o café da família e ainda cuidava da casa sozinha, não via necessidade de ter uma empregada e jamais ficou sem saber o que fazer para o jantar elaborado sempre dividido em várias etapas. Estava sempre impecavelmente bem arrumada e apresentável e jamais demonstrava tristeza ou cansaço. Qual é o segredo?

Jennifer divide seu livro em três partes: Dieta e exercícios é o início de tudo, onde podemos entender como as francesas são capazes de comer tanto queijo e croissant e ainda estarem sempre magrinhas e lindas. Lições simples que não requerem nenhum sacrifício, como não beliscar fora de hora, não se privar e saber que exercícios são parte da vida, não obrigação.

A segunda parte, Estilo e Beleza é simplesmente incrível! Depois de ler isso eu tive que refletir muito sobre quem eu sou e quem quero ser, me concentrei em mim e esqueci de modismos, foi o meu momento de me encontrar e encontrar o meu estilo. Depois disso tive que arrumar o meu guarda-roupa e fiz isso com gosto pela primeira vez na vida.

A principal lição aqui fala sobre o famoso guarda-roupa de 10 peças da mulher francesa. O conceito pode parecer completamente bizarro aqui em terras tupiniquins, mas Jennifer bate tanto na tecla de que mais vale ter 10 peças que sejam perfeitas, te façam se sentir linda e se coordenem entre si do que um armário abarrotado em que poucas coisas são “a nossa cara” e nos faz ficar deprimidas de manhã, dizendo que não temos roupa. Depois de ler esse livro, fiz uma limpeza gigante no meu closet e tirei, sem dó, tudo o que não fosse absolutamente perfeito. Vocês não sabem a alegria que é abrir o armário e poder escolher qualquer coisa sabendo que você vai ficar linda! – Pretendo falar mais sobre esse conceito e sobre as mudanças do meu guarda-roupa em posts futuros, vamos voltar à resenha…

Sem título

Na terceira parte, Como viver bem, Jennifer divide várias histórias do seu intercâmbio e nos mostra como é simples chegar à felicidade com pequenas atitudes. Dizer não ao materialismo, estimular a mente, valorizar a qualidade (de tudo, viu?), ser organizada são apenas alguns exemplos. Porque só usamos aquele conjunto de louças lindo no Natal?Porque andamos em casa como mendigos? Jennifer fala também sobre a formalidade, não como algo negativo como tendemos a acreditar que seja, mas como um gesto de carinho para alguém que amamos. Porque nosso chefe merece o nosso melhor comportamento, nossos melhores trajes e nossa família, as pessoas que tanto amamos, são tratadas de maneira grosseira? A ideia aqui é dar o nosso melhor às pessoas que mais importam, isso fará com que elas e nós sejamos mais felizes.

Claro que ninguém aqui vai começar a viver como uma francesa; vivemos em um país diferente, com cultura e valores diferentes, seria impossível adotar um estilo de vida completamente francês, mas a questão não é essa. A ideia aqui é aproveitar ensinamentos simples desse povo para conquistarmos uma melhor qualidade de vida. O principal é isso, buscar a qualidade, sempre.

Por Amanda Inácio
Páginas«23456... 74»



  • Top